PALEÃO

Historias de Paleão
Paleão - A sua historia
Jardins suspensos
Cronologia

Paleão no Norteshopping

Inaug. busto do Eng.
Sua localização
Onde se situa
Como chegar Paleão
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Produção
Elaborado por
Livro visitas

 

Paleão e um pouco da sua história

   

    O forasteiro que se dirige no sentido poente nascente, pela estrada que parte de Soure e cruza com a Nacional de Lisboa ao Porto (IC2), topa, ao dobrar a curva de um pequeno cerro olivifero, com o casario matizado da pequena mas importante aldeia de Paleão.

    Todo o panorama é bonito, encimado a nascente pela serra altiva e arrogante da Senhora do Círculo, até à freguesia da Redinha e a cujo conjunto de elevações, que se estendem de Condeixa às proximidades de Pombal, os geógrafos chamaram Serra do Sicó.

    Já a serra é pedregosa e nua. E só aqui e além aparece a copa torcida ou o tronco árido e queimado de oliveiras. Talvez por isso, para cá, muito mais para cá, vive-se e sonha-se.

Actualmente, Paleão é um centro importante. E também já o foi posteriormente e, senão, a título de curiosidade, vejamos :

     Paleão, terra antiga, data dos primórdios da nossa História. Em 1219 grafava-se por Paleyom e em 1221 por Palaiom, até 1300, que modificou para Palayom de Acervo. A partir dos séculos XVI e seguintes sofreu outras modificações na grafia e aparece-nos, então, com as seguintes evoluções : - Pallyon, Paallyam, Palliam e finalmente Paleão.

    E curioso apontar ainda que esta vetusta terra teve juiz ordinário, vereadores, procuradores, escrivão da Câmara e era comenda da Ordem de Cristo. Só a comenda de S. Mateus rendeu, em 1823, a quantia de 142 mil-réis.

    De Soure a Paleão ficava ainda a barbacã do castelo de Soure.

    Câmara e julgado terminaram no ano de 1694, ficando desde ai sob a jurisdição da vila de Soure.

    Pode o forasteiro passar e não lhe descortinar o nome, mas na alma há-se ficar-lhe, com certeza, a recordação de uma terra diferente, progressiva, e não lhe esquecerão jamais, por muito preocupado que vá, os seus vasos floridos que as pessoas, cultivando com amor, colocam nas casas, nas ruas, fazendo assim, de uma aldeia pequena um cantinho florido, um canteiro de beleza no jardim de Portugal.

 

www.paleao.net ©  2001-2013  - Todos os direitos reservados